Khamlia

Khamlia Marrocos

Khamlia Marrocos

Khamlia

A aldeia de Khamlia fica a 7km de Merzouga, muito perto das Dunas de Erg Chebbi, no sul de Marrocos.

Na aldeia não existem mais do 40 casas e 200 pessoas, sendo a maioria destas negros Gnawa. Vindos da África sub-saariana, estabeleceram-se na região devido às trocas comerciais e caravanas do deserto.

Khamlia, também conhecida como “village des hommes noirs” (aldeia dos homens negros), é um lugar calmo e pacífico onde o tempo passa muito devagar. No passado, os aldeãos ganhavam a vida a trabalhar nos campos e nos oásis para agricultores ricos. Eram também pastores de camelos e cabras.

Hoje em dia são famosos pela sua hospitalidade. Os visitantes são convidados a visitar as famílias Berberes e também a escola, onde podem falar com as crianças e jogar futebol com elas.

Outra das razões pela qual Khamlia é reconhecida é a música Gnawa. Trazida para a região pelos escravos do Senegal, Sudão e Mali, é uma mistura de Bambara, línguas Berberes e Árabes. Nos espectáculos, os músicos dançam de maneira muito própria, movendo todo o corpo excepto a cabeça.

A música em si é uma espécie de sofismo, com uma grande importância socio-psicológica. Tem um papel muito importante na vida diária da população da aldeia Khamlia e também nos festivais. Por vezes é mesmo usada para ajudar a curar doenças ou entrar em transe de modo a contactar com “o outro mundo”.

Os instrumentos utilizados são versões especiais de alaúdes (Hajhouj o guembri), grandes castanholas metálicas (qraqeb) e tambores. A música tocada e cantada é sempre muito animada e constitui uma experiência inesquecível para se viver no Deserto do Saara.