Viagem a Marrocos

Viagem a Marrocos

Marrocos é um país de contrastes com imensas coisas para visitar. Este agrada a praticamente todo o tipo de viajantes.

Quer procure aventura, escalada, estâncias de ski e actividades de neve, deserto e actividades na areia, excursões de camelo, praia, música e Mar, trekking na montanha, arquitectura e cultura, monumentos e museus, turismo de luxo, turismo barato, moto 4 e jipes, etc.

Os lugares mais conhecidos de Marrocos poderão não ser os que melhor representam o país.

Nem sempre a normal afluência de turistas corresponde à verdade e ao melhor que um país tem para oferecer. O que se passa em Marrocos é que alguns dos destinos mais famosos foram na verdade um escape para o medo que muita gente tem de viajar a este país ficando assim em cidades que muito pouco oferecem de “marroquino” ao turista ou viajante.

Muita gente visita alguns dos pontos “mais fáceis” só para dizer que já foi, marcar presença em lugares que são nada mais que uma tentativa europeia de urbanismo com todos os seus normais problemas sociais.

Pensando que as estatísticas dizem que grande parte dos turistas que entram pelas fronteiras norte do pais ficam-se por Tanger, Tetouan, Casablanca e Rabat, é relatar que sem dúvida viram um Marrocos não muito simpático, com alguns problemas de crime e com muito pouco do que Marrocos é na sua cultura e interessantes tradições.

Não Marrocos não é Tanger e muito menos Casablanca. Estas são cidades “brancas”, ou seja, cidades com edifícios brancos tipo mediterrâneo e de arquitectura colonial deixada pelos franceses.

Depois de trabalhar com agências de turismo interessadas em oferecer um produto para visitar Marrocos de uma maneira diferente, pude notar os melhores destinos para uma viagem alternativa.

Presentemente tenho alguma autoridade sobre a matéria já que fui eu que escrevi os roteiros e viagens organizadas para mais de uma dúzia de agências, transportadoras e operadoras turísticas marroquinas.

Melhores destinos Marrocos

Guardas reais a cavalo em Rabat

Guardas reais a cavalo em Rabat

  1. Deserto do Saara e Grande Sul
  2. Cidades Imperiais
  3. Costa Atlântica
  4. Montanhas do Atlas

Dentro de cada uma destas regiões há destinos mais conhecidos e outro menos conhecidos. Mas, já à partida podemo-nos separar da ideia de visitar Marrocos só com Tanger e Casablanca.

Cidades Imperiais – Visitar Marrocos nas suas famosas cidades reais

Torre Hassan em Rabat - Cidades Imperiais

Torre Hassan em Rabat – Cidades Imperiais

Medina de Marrakech

Medina de Marrakech

Estas cidades são destinos para aqueles que gostam de cidades grandes, cheias de monumentos e coisas para visitar, feitas pelas diversas épocas da história por antigos reis marroquinos. Estas cidades foram as capitais de diversas dinastias.

Uma viagem a Marrocos com estas cidades é uma óptima maneira de conhecer a cultura árabe e berbere do país. Uma achega a monumentos, palácios e mausoléus, medinas com lojas e artesanato. Estas cidades estão ligadas por auto-estrada, aeroporto, rede de camionetas / ônibus, táxis e comboios, sendo por isso de muito fácil acesso e transporte.

Meknes – cidade imperial

Porta decorada - Roteiros de viagem

Porta decorada – Roteiros de viagem

Capital da dinastia dos Alauítas. Esta cidade tem uma história muito própria apesar de viver um pouco na sombra de Fes. Por estar tão perto da grande cidade de Fes, Meknes é normalmente abafada e esquecida.

Na verdade, há algumas coisas de interesse para ver na cidade e é local UNESCO. Mas, se tivermos que escolher entre e Fes, certamente Meknes perderá.

A alguns kms de Meknes existem as conhecidas ruínas de Volubilis – local UNESCO, ruínas romanas de enorme importância arqueológica, já que são umas das mais importantes ruínas do Império Romano do Norte de África. Eu gosto muito deste lugar.

Locais de interesse em Meknes

  • Porta Bab Mansour el Aleuj
  • Heri es Souani de Moulay Ismaïl
  • Dar el-Ma, Palácio da Água
  • Mausoléu de Moulay Ismaïl
  • Palácio Dar Jamaï
  • Madrassa Bou Inania
  • Medina de Meknes
  • A khaima de Moulay Ismail

Fes – cidade imperial

Capital dos Mérinidas e dos Idrissidas. Esta cidade é conhecida pela sua confusão e caos. Sim, é mesmo assim. Fes – local UNESCO é sem dúvida a mais medieval de todas as cidades marroquinas. Estar dentro da medina é estar dentro de um enorme labirinto onde é fácil se perder. Fes é a mais bem preservada cidade medieval árabe do mundo.

O centro da medina divide-se por partes, misturando várias épocas tudo no mesmo local. De um bairro medieval do século XII passamos depressa para a medina do século X tudo por ruas estreitas.

Fes merece uma atenção e um cuidado especial já que a sua confusão pode ferir a percepção que possamos ter de Marrocos. Requer muita calma. A cidade é muito caótica. Mas tem a sua magia.

Medina de Fes em Marrocos

Medina de Fes em Marrocos

Locais de interesse em Fes

  • Mesquita El-Qaraouiyyîn
  • Palácio Batha
  • Madrassa Bou-Inania
  • Foundouk des peaussiers
  • Mesquita Ech-Cherabliyyîn
  • Museu Nejjarîn das Artes em Madeira
  • Madrassa El-Attarîn
  • Mesquita des Andalous
  • Madrassa Es-Sahrij
  • Borj Nord

Rabat – cidade imperial

Complexo do Mausoléu Mohamed V na cidade de Rabat

Complexo do Mausoléu Mohamed V na cidade de Rabat

Catedral de Rabat em Marrocos

Catedral de Rabat em Marrocos

Capital actual dos Alaúitas. Esta é a capital de Marrocos e está na costa do Atlântico. Esta é uma cidade tipo colonial francesa, mas há outros lugares menos conhecidos que nos dão a ver uma história muito mais antiga e puramente marroquina. Rabat – local UNESCO é sem dúvida uma grande metrópole capital de um reinado árabe.

Além do centro “branco” há ainda o Kasbah Oudaia, local fantástico cheio de história. Ainda fora das muralhas há as ruínas de Chellah.

A Torre Hassan é um dos pontos fortes para visitar nesta cidade. Incrivelmente esta construção foi parcialmente destruída pelo terramoto de Lisboa. O mausoléu de Mohammad V também é um dos locais a não perder e pode-se visitar mesmo dentro do edifício onde estão os túmulos dos reis.

Mesquita em Rabat

Mesquita em Rabat

Locais de interesse em Rabat

  • Kasbah dos Oudaia
  • Torre Hassan, mesquita de Ya’qub al-Mansour, destruída pelo terramoto de Lisboa de 1755
  • Necrópole de Chella
  • Mausoléu de Mohammed V
  • Museu dos Oudayas
  • Catedral de São Pedro, La cathédrale Saint-Pierre
  • Dâr-al-Mahkzen ou Palácio Real

Marrakech – cidade imperial

Torre da Koutoubia em Marrakech

Torre da Koutoubia em Marrakech

Ruas da medina antiga de Marrakech

Ruas da medina antiga de Marrakech

Capital da dinastia dos Saadis, dos Almoádas e dos Almorávidas. Esta cidade também conhecida pela sua confusão e caos, é um destino a não perder durante uma visita a Marrocos. Simplesmente você não pode ir a Marrocos e não visitar Marrakech (também escrito Marraquexe).

Marrakech – local UNESCO, ao contrário de Fes, é de mais fácil acesso aos viajantes, mais fácil de circular e quando nos perdemos…é mais fácil encontrarmos o caminho de volta (porque em Fes é quase impossível!)

Marraquexe está cheia de museus e palácios que merecem visitar. Para quem gosta de compras, Marraquexe é já muito turística nesta matéria e permite assim comprar artesanato por preços bem acessíveis.

Mesquita numa ruela da Medina de Marrakech

Mesquita numa ruela da Medina de Marrakech

Locais de interesse em Marraquexe

  • Praça Jamaa-El-Fna (século XI)
  • Madrassa Ben Youssef (século XVI)
  • La qoubba Almoravides (século XII)
  • Mausoléu Saadiens (século XVI)
  • Fonte chrob ou chouf (século XVII)
  • Mesquita da Koutoubia (século XII)
  • Mesquita El Mouassine (século XII) e a sua fonte (século XVI)
  • Mesquita pommes d’Or (século XII)
  • Palácio da Bahia (século XIX)
  • Palácio El Badi (século XVI)
  • Jardins da Ménara (século XII)
  • Jardins de Agdal (século XII)
  • Jardim Majorelle (século XX)
  • Museu de Marraquexe (século XIX)
  • Museu Dar Si Saïd (século XIX)
  • Museu de arte islâmica de Marraquexe (século XX)
  • Museu Bert Flint ou casa Tiskwin (século XX)
  • Os souks de Marraquexe

Deserto do Saara – o deserto de Marrocos

Locais a não perder na zona do deserto são Merzouga, Zagora, Dunas de Tinfou, Dunas de Erg Chebbi, Mhamid, Dunas de Chegaga, Ouarzazate, Erfoud, Rissani, Alnif, Taouz, Ait Ben-Haddou.

O Sul de Marrocos é como que você visitasse um outro país. Tudo é diferente. A língua dos diversos povos berberes, a arquitectura de barro dos lindos Casbahs, e o fascinante Deserto do Saara onde as dunas de areia perdem-se de vista.

Geograficamente o Saara começa já na parte Sul da montanhas do Atlas, que são já montanhas desérticas sendo assim incluídas como parte do deserto.

As tradições do deserto são diferentes do resto do país. A comida é diferente, muita gente usa turbante na cabeça, e as dunas de areia são um lugar inesquecível.

Costa Atlântica

Cisterna Portuguesa em El Jadida

Cisterna Portuguesa em El Jadida

Cidade de Asilah no norte de Marrocos

Cidade de Asilah no norte de Marrocos

Locais a não perder na zona da costa são El Jadida, Safi, Asilah e Essaouira.

A costa Atlântica marroquina é uma alternativa refrescante e menos quente para quem viaja no país durante os meses de Verão em Julho e Agosto.

Fortemente de influência europeia, principalmente portuguesa e francesa, estas cidades costeiras são muito agradáveis e permitem uma viagem calma e tranquila ao mesmo tempo que se vê uma cultura costeira e de Mar, bem diferente para quem já conhece o deserto de Marrocos.

Os portugueses fundaram muitas das cidades costeiras em Marrocos por volta do século XIV e XV. É muito interessante visitar cidades com traços portugueses em território marroquino.

Um dos meus locais favoritos é a medina de Essaouira UNESCO e a cisterna portuguesa na cidade murada de El Jadida, também local UNESCO.

Montanhas do Atlas

Estrada de Tissadrine no Vale do Dades sul de Marrocos

Estrada de Tissadrine no Vale do Dades sul de Marrocos

Locais a não perder na zona das montanhas são Telouet, Tamtettoucht, Imilchil, Vale do Dades, Agoudal, Azrou, Ourika e Toubkal.

Marrocos ao contrário do que muita gente pensa não é um país de árabes. É um país de berberes, um outro povo de etnia muito diferente.

A chegada dos árabes há muitos séculos atrás, negligenciou o avançar da cultura berbere e devido a muitas perseguições, estes tiveram que se refugiar nas montanhas do Atlas.

A sua presença, tradições e cultura desenvolveu-se assim intocável e mantida inalterada ao longo de muitas centenas de anos. Este é o ponto forte de Marrocos para ter uma percepção real e verdadeira do que é Marrocos e do que é o seu povo original.

Atravessar as montanhas desde Marrakech até Ouarzazate, ou desde Fes até Errachidia por exemplo, faz-nos ter uma noção diferente do país, cheio de gente acolhedora e curiosa.